segunda-feira, fevereiro 21, 2011

A grande dor das cousas que passaram



“A grande dor das cousas que passaram
transmutou-se em finíssimo prazer
quando, entre fotos mil que se esgarçavam,
tive a fortuna e graça de te ver.”
Como disseram sabiamente: “tem coisas nesta vida que a gente nunca esquece”!
Coisas e pessoas, eu diria.
O tempo passa, os seres migram, o meio se altera, tendências se transpassam e no fundo... pouco se altera.
São mudanças que levam à 'mesmice de cada dia'.
Monotonia que torna cômoda e intrínseca a dor da perda.
“Ó bendito passado que era atroz,
e gozoso hoje terno se apresenta
e faz vibrar de novo minha voz
para exaltar o redivivo amor
que de memória-imagem se alimenta
e em doçura converte o próprio horror!”
A primeira vez de qualquer experiência é sempre marcante! Afinal, se é esta a impressão 'que fica', o medo de reviver algo pode ter justificativa (Física Quântica?)
Na verdade, hoje precisava extravasar...
O início cômico é apenas uma forma de camuflar o temor do que está por vir.
Exatamente. Depois do 1º NATAL, da 1ª PASSAGEM DE ANO sem a presença da pessoa mais importante da minha vida, o receio do 1º ANIVERSÁRIO DE MINHA AVÓ, sozinha, mexe profundamente comigo.
Quando ela se foi, me propus a não falar desta perda em meu blog - enquanto a ferida estivesse latente...
Meses se passaram e vi que o tempo ganha proporções distintas de acordo com o tamanho do sentimento.
A dor... nunca vai passar.
A ausência estará sempre ali, em cada recordação, história contada, nos aprendizados e principalmente na lição de vida transmitida.
Não serei hipócrita a ponto de dizer que "eu compreendo". Alguns acontecimentos, realmente, estão aquém de minha aceitação.
23 de março de 2011: dia frio com céu encoberto de nuvens.
Não é uma previsão (nem em seu sentido literal)... mas para mim, não há como ser diferente.
Talvez a noite possa amenizar as emoções...
Quem sabe uma nova estrela?!

6 comentários:

Edna Lima disse...

Quanta emoção!
Mas gostei de saber.
Pois gostaria de deixar na lembrança da minha neta uma ligação assim, forte.
E também bons sentimentos.
Saudades! Um grande bj. Edna Campos.

Kafé Universitário disse...

Adorei seu post!
Realmente na vida tudo passa, mas as mudanças são tão imperceptiveis que parece uma mesmice sem fim...

Saudades sempre existirão... faz parte né!
Estou seguindo seu blog. gde abço!
Luka

Luana disse...

Além de ser um desabafo emocionante, ficou lindo.
Sei que ela deve está sentindo essa tua energia boa.

Bjs

Júlia disse...

Perder alguém nunca é facil, ainda mais quando essa pessoa faz parte constante da nossa vida. Mas como dizem "faz parte da vida", e um dia a gente tem que perder... para aprender o quanto a fé e o amor são importantes. Se as pessoas durassem para sempre, quem sabe não daríamos a elas o deviso valor que merecem.
Agora, vai doer é claro, e não vai passar. No fundo, no fundo, algo sempre vai te lembrar e vai dar aquela dorzinha de "ah, se ela estivesse aqui..." mas cada pessoa tem sua missão, e se a dela ja foi cumprida ela tem que ir.

Meu ssentimentos, sei o quanto essa situação é dificil. Beijos =*

Felipe Braga disse...

Oh, Carol.

Como você sabe, meu pai também já se foi. E, realmente, a dor não passa. Mas o tempo, sim, este passa, e atenua a dor. A saudade vai se transformando em algo bom, você vai lembrar apenas dos inúmeros momentos felizes que teve com sua avó, e vai perceber que ela quer que você fique feliz.

Olha, Carol, eu não acredito em quase nada. Mas numa coisa eu acredito: esses nossos entes queridos estão nos vendo e, um dia, vamos reencontrá-los. Por isso, também, temos que ficar bem. Pra que eles sigam em paz, orgulhosos de nós, da formação que nos deram.

E você já é uma estrela, tá, sua linda?

Beijão, conte sempre comigo.

meus instantes e momentos disse...

que bom redescobrir voce...
saudades
Maurizio

Postar um comentário

Template by:

Free Blog Templates