domingo, fevereiro 21, 2010

Eu também já fui brasileiro



“Eu também já fui brasileiro
moreno como vocês.
Ponteei viola, guiei forde
e aprendi na mesa dos bares
que o nacionalismo é uma virtude.
Mas há uma hora em que os bares se fecham
e todas as virtudes se negam.”
… E quando fechava os olhos era como se me transportasse para outra dimensão. Já vivi de sonhos. A melhor parte de meu dia começava quando impunha o pé direito dentro de meu quarto, me deitava e os pensamentos ocupavam todos os espaços, moldavam as paredes, arrastavam os móveis e eu podia, enfim, sentir a presença de quem eu quisesse e a emoção que me fosse conveniente.
Durante muito tempo rastejei pelos dias, forcei meu sorriso de “boa tarde”, ouvi, aconselhei e critiquei mesmo estando alienada do mundo, de tudo, de todos...
“Eu também já fui poeta.
Bastava olhar para mulher,
pensava logo nas estrelas
e outros substantivos celestes.
Mas eram tantas, o céu tamanho,
minha poesia perturbou-se.”
Já percorri o romantismo, surrealismo, simbolismo e até impressionismo. Transpassei os extremos, rompi barreiras e ao mesmo tempo aprendi que os limites, ou melhor, as fronteiras, são necessárias e indispensáveis.
Hoje percebo que aquela antiga inquietude, fadiga em conhecer o que não estava ao meu alcance, o costume insistente de persistir na mudança do imutável, em acreditar que o tempo transforma as pessoas... tudo isso se perdeu entremeio indiferenças, descasos, falta de comprometimento e até egoísmo.
“Eu também já tive meu ritmo.
Fazia isso, dizia aquilo.
E meus amigos me queriam,
meus inimigos me odiavam.
Eu irônico deslizava
satisfeito de ter meu ritmo.
Mas acabei confundindo tudo.
Hoje não deslizo mais não,
não sou irônico mais não,
não tenho ritmo mais não.”
Hoje sei valorizar o que tenho, cultivar as pessoas e buscar o que me é palpável, concreto, sólido. Portanto, concluí que a vida vai muito além dos momentos em transe e que não há nada melhor do que viver, verdadeiramente, as fantasias reais.

15 comentários:

Felipe Braga disse...

Sim, Carol.
Viver assim, no mundo real, é maravilhoso.
Ser ouvinte na indiferença e no descaso, ser cúmplice quando há egoísmo... Não tem preço.
Até, porque descobri uma coisa: O fraco, quando apanha, revida; o forte, não; porque ele sabe que se ele revidar ele vai machucar.
Portanto, não vamos disseminar a indiferença, Carol.

Coisa linda teu texto.

Beijos.

Milla disse...

Valorizar o que tenho...talvez essa seja a chave de muitas coisas que nos perturba. Agora fiquei com essa frase na cabeça!

beijos

Lamêgo disse...

As fantasias reais são bem melhores pois nos são cabíveis.

E mudar as pessoas é utopia.Isso só acontece se elas tiverem o desejo e a vontade de propria em fazer isso.

É desgastante dar murros em ponta de faca.Uma hora a gente se cansa,pq no fundo machucamos a nos mesmo.

Seus textos são perfeitos,linda!Saudades de papear contigo.Beijos.

Cristiane Neves disse...

Acho q preciso aprender isso, a valorizar o q tenho e viver estas fantasias reais... Mas, que fazer se eu sempre quero mais? Quero o possível e o impossível e tb vivo de fantasias ao invés de lutar. É, ainda preciso aprender este valorizar o real...

♥ кαяιиα disse...

MigA,q post mais consciente,maduro e bonito.
Que bom que vc está assim,bem e vivendo seus sonhos. =.= Bjo.

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

As "fantasias reais". Eu realmente gostei muito dessa expressão que usou ao final do texto... É o que venho buscando nos últimos dias.!

Maravilhoso texto, cara Carolina!

Desculpe por sumir... sem explicação! >-<

HNETO disse...

Caboclos, mulatos, indios
salvem a poesia.

Bia Maia disse...

Uauuuuuuuuuuuuuu...
Sempre você arrasa...
Como vc é inteligente, doce menina!
E adorei FANTASIAS REAIS...
Devemos sonhar sempre, claro...mas com os nossos dois pés no chão!

beijos em você, e ótima segunda-feira!

Bia

Érica disse...

Carol, tu é muito dinâmica menina. Muita informação, um texto riquissimo. Estás onde deverias mesmo viu? Escreves bem demais.

E vamos todos viver dessas fantasias reais, sem esquecer as vezes, de esquecer um pouco...

Beijos queridona!

Giovanna. disse...

Pois não há nada mais gratificante que viver nossos idealismos, sonhos e coisas irreais. Na realidade da vida, aprendemos, e seguimos em frente, sempre. AMEI demais demais sem mentiras

Ju Fuzetto disse...

Oi flor!!!

Que lindo texto!

Sentir a realidade de forma livre é aceitar todas as possibilidades de mudanças!!

adoro seu espaço!!

beijo grande

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá.

Vim conhecer o seu espaço de sonhos e sentimentos.

Encontro este delicioso texto para dar-me as boas vindas.
Texto simples, cheio de verdades, e que tem o dom de se apossar de nós,
pegar nas nossas mãos, e sentí-lo como nosso.

Que os sonhos te acompanhem sempre.

André Lopes Nunes disse...

Finalmente consegui te seguir, nao sei usar as funções do blog ainda! hhehe
Belo trabalho! bju!

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

Rsrs'

É... fica ainda mais engraçado pra mim se eu te disser que pretendo prestar Publicidade e Propaganda no 2º semestre desse ano. Mas ainda acredito em uma publicidade pura. ( =

Eu agradeço muuito a sua preocupação e sinto-me aliviado em dizê-la que você estava errada... Rsrs' Minha vida está uma benção, família com saúde, todos bem... Graças à Deus! Assim também está com o "Wilian". Ele parece estar se descobrindo ainda mais... a estranheza é normal, faz parte do processo! :P

Poxa, mesmo não estando triste adoraria conversar com você pelo msn... mais uma pessoa para preencher meu tempo virtual! :P (wilian_wenzel@hotmail.com)

Eu passei no blog que me indicou... E não sei como te dizer isso, mas você acertou em cheio... Eu adoro paisagens! *_* Gostei batante do espaço!

Também estou com saudades... ;*

p.s: Há tempos estou querendo dizer isso: A tonalidade marrom de sua foto e principalmente a beleza, combinaram com o layout de seu blog! Rs'

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Gostei de tudo.Mas nas FANTASIAS REAIS, arrasou. É assim que me vejo.Você é grande poeta.Parabéns.Beijos

Postar um comentário

Template by:

Free Blog Templates