quinta-feira, maio 07, 2009

Oficina irritada



Pobre Drummond, quisera passar despercebido por este poema! O que ele não imaginava é que no caos em que vivemos, o desespero, a desilusão, a ira e até mesmo o repúdio são as principais temáticas de nossa existência.
Tem dias em que tudo está errado! O que se há de fazer? Talvez canalizar estes pensamentos, essas vontades, as indignações em algo produtivo? É uma opção plausível. Escrever ameniza a dor, o sofrimento. Pode ser uma maneira de reagir diante de tudo que nos desaponta.
A passividade as vezes é assustadora! Vemos, todos os dias, situações, fatos absurdos, e aí... não fazemos nada. Sentimos apenas aquele pesar, aquela repugnância introspectiva que não ultrapassa os limites do EU ACHO.
As ideologias são lindas... e? Vamos continuar olhando-as apenas como utopias? Vamos prosseguir com a sensação de que concordar com os discursos competentes nos fazem melhores e, pronto?...
Drummond, Drummond, Drummond... agora entendo porque você criou este poema “duro, como poeta algum ousara escrever.”

2 comentários:

aline disse...

O que está acontecendo???
Estamos achando tudo tão normal!
Coisas absurdas vem ficando tão banais, tão comuns, corriqueiras que nem nos damos conta do quão triste é a realidade em que vivemos...

Precisamos questionar... questionar pra evoluir. E mais que isso: REAGIRMOS A ESSE CAOS em que nos encontramos emergidos!!!

Abraço, amiga... Saudade...
Parabéns e continue assim... "...fomentando a leitura!"

Patricia disse...

Verdade!Precisamos ACORDAR!
Parabens amiga!Saudades e Amo vcs..A cada dia fomentando a leitura!"

Postar um comentário

Template by:

Free Blog Templates